Olá, pessoal!

Seguem os comentários relativos à prova de Língua Portuguesa. Vislumbrei possibilidade de recurso…

Julgue os itens a seguir, com relação às ideias e aos aspectos linguísticos do texto CB1A1AAA.

1 O texto classifica-se como poema em prosa, dada a predominância de um olhar lírico sobre o tema tratado e da linguagem figurada.

Comentário: O poema pode apresentar-se de duas maneiras: versificada ou em prosa. Para que ficasse caracterizado o poema em prosa (ou prosa poética), o texto deveria ser predominantemente marcado pela linguagem conotativa, bem como por um lirismo em seu conteúdo, entre outros atributos. No entanto, a superfície textual em comento não se enquadra em tais características. Vale destacar, ainda, que “poema” não se confunde com “poesia” – palavra oriunda do grego “poiesis”, que significa “criação”.

Gabarito: Errado. 

2 Pode-se inferir da ausência de aspas e do estilo característico do texto que a passagem “Não esqueça os dois pacotes de leite (…) a partir do qual a vida vem da vida” é uma extrapolação imaginativa da autora a partir da carta escrita por Francis Crick a seu filho. 

Comentário: Com efeito, o trecho indica uma provável continuação do diálogo entre Crick e seu filho, caracterizando uma extrapolação feita por Matilde. Para que não incorresse nesse equívoco, seria necessário empregar as aspas, a fim de reproduzir a citação que o pai direcionou para o filho, receptor da mensagem.

Gabarito: Certo.

3 A forma verbal “termine”, que denota uma ação incerta ou irreal, foi empregada para indicar que a carta que Crick escreveu a seu filho, na realidade, não se encerra com as palavras ‘Muito amor, papai’.

Comentário: A forma verbal “termine” está conjugada no Presente do subjuntivo, modo que exprime semântica de hipótese/possibilidade/incerteza. No entanto, Matilde Campilho apresentou o fecho “Muito amor, papai” apenas para descrever cartas que a emocionam, não indicando que a carta direcionada por Crick a seu filho contivesse o mencionado componente textual.

Gabarito: Errado.

4 A substituição da expressão “e olha que eu moro bem no meio das montanhas” por embora eu more entre montanhas manteria a coerência do trecho no qual se insere, mas alteraria seu nível de formalidade.

Comentário: O segmento “e olha que eu moro bem no meio das montanhas” assemelha-se, sob o prisma da coerência, à construção “embora eu more entre montanhas”. No entanto, o primeiro trecho contém marcas típicas da linguagem coloquial, falada, diferindo do segundo, marcado pelo tom da formalidade, característica da linguagem escrita.

Gabarito: Certo.

5 O vocábulo “os” remete a “sinônimos”.

Comentário: No trecho “e os (sinônimos) do resto das palavras”, subtende-se a palavra “sinônimos”, revisitada anaforicamente pela forma “os”.

Gabarito: Certo.

6 A substituição da expressão “Olhei com mais atenção” por Atentei-me para manteria o sentido geral e a correção gramatical do trecho original.

Comentário: Consoante as lições de Celso Pedro Luft, em seu Dicionário Prático de Regência Verbal, não cabe o tom de reflexividade relativamente ao verbo “atentar”. Em outras palavras, o emprego da forma pronominal “me” acarreta desvio gramatical. A despeito disso, cabe mencionar que o termo “para” é uma das preposições admitidas pelo verbo “atentar”. Por fim, há equivalência de sentido entre “Olhei com mais atenção” e “Atentei para”.

Gabarito: Errado.

Com relação aos sentidos e aos aspectos gramaticais do texto CB1A1BBB, julgue os itens que se seguem. 

7 A ideia principal do último parágrafo do texto é a de que as mulheres não devem ser penalizadas em razão das decisões que tomam a respeito de seus sentimentos.

Comentário: A ideia central do parágrafo é a “generalização da eternidade do amor”. Nesse tópico frasal, o autor faz uma afirmação de caráter geral como uma estratégia argumentativa para fazer um apelo ao final do texto: o de deixar as mulheres amar.

Gabarito: Errado.

8 O vocábulo “valentona” foi empregado em referência a “mulher”.

Comentário: A locução adverbial “à valentona” não faz referência ao termo “mulher”. Repare que, na cadeia discursiva, a expressão “domínio à valentona” está acompanhada do segmento “do homem sobre a mulher”, que sintaticamente funciona como aposto explicativo.

Gabarito: Errado.

9 O vocábulo se recebe a mesma classificação em “se julgam” e “se castigam”.

Comentário: Em “Eles se julgam com o direito (…)”, o termo “se” apresenta matiz reflexivo, sendo equivalente à expressão “a si mesmos”. Já em “que se castigam as moças”, o sintagma “moças” é sujeito paciente, sendo o termo “se” partícula apassivadora, seguida do verbo transitivo direto “julgar”. Vale destacar, por fim, a anteposição da partícula “se” em virtude da presença do pronome relativo “que”.

Gabarito: Errado.

10 Caso se isolasse por vírgulas o trecho “que, em Deodoro, quis matar a ex-noiva e suicidou-se em seguida” (R. 1 e 2), seria pertinente inferir que o autor se referisse a um rapaz já anteriormente mencionado, ou conhecido do interlocutor.

Comentário: Com efeito, o isolamento por vírgulas imprimiria à oração um valor explicativo, permitindo a inferência de que o “rapaz”, por ter sido anteriormente citado na superfície textual, já fosse conhecido pelo alocutário.

Gabarito: Certo.

11 Feitos os devidos ajustes de pontuação, a retirada do trecho “Eles, não” manteria o sentido geral do texto, porém reduziria a ênfase com a qual o autor se refere à crueldade dos “noivos assassinos”.

Comentário: Argumentativamente, a expressão “Eles, não” foi utilizada com o intuito de realçar/enfatizar a realidade dos “noivos assassinos”, marcada pela “crueldade”, já que, diferentemente do ladrão, eles “matam logo”. Portanto, com a retirada desse trecho, perder-se-ia a ênfase original.

Gabarito: Certo.

12 O autor emprega a expressão “De resto” para se referir a outros homens além dos “maridos que matavam as esposas adúlteras” e dos “noivos que matam as ex-noivas”.

Comentário: Contextualmente, a expressão “de resto” não faz referência a qualquer termo, sendo incorreta a afirmação de que faz referência a outros homens. Ademais, sob o prisma do sentido, apresenta a acepção de “e o mais”, “e o restante”.

Gabarito: Errado.

13 Mantendo-se a correção gramatical e os sentidos originais do texto, a forma verbal “deseje” poderia ser substituída por aspire a.

Comentário: Tanto a forma verbal “deseje” quanto a forma “aspire” estão conjugadas no modo subjuntivo, imprimindo ao contexto a semântica de hipótese. Vale destacar que o verbo “aspirar” foi empregado na acepção de “almejar”, exigindo complemento regido pela preposição “a”.

Gabarito: Certo.

14 Na redação de súmulas, dado seu caráter técnico, devem-se empregar, sempre que possível, jargões.

Comentário: Os expedientes oficiais devem ser compreendidos por todo cidadão. Por esse motivo, os jargões devem ser evitados nessa modalidade de comunicação.

Gabarito: Errado.

15 Em um documento a ser enviado pelo ministro presidente do Superior Tribunal Militar ao ministro presidente do Supremo Tribunal Federal, é adequado o emprego do pronome de tratamento Vossa Senhoria como vocativo, pois ambos (remetente e destinatário) ocupam cargos de mesmo nível hierárquico.

Comentário: Em se tratando de Chefes de Poder, o vocativo adequado é “Excelentíssimo Senhor”, seguido do respectivo cargo.

Gabarito: Errado.

16 O trecho a seguir é adequado, quanto ao formato e à linguagem, para compor um memorando destinado à comunicação entre os seguintes setores do Superior Tribunal Militar: Diretoria de Pessoal e Coordenadoria do Plano de Saúde da Justiça Militar da União (JMU).

Comentário: RECURSO! Quanto ao formato, o trecho não é adequado ao memorando. Repare que, embora a referência ao destinatário tenha sido corretamente feita pelo cargo que ocupa, faltou a identificação do documento, com alinhamento à esquerda, na linha anterior à indicação da data.

Gabarito preliminar: Certo (pleiteando alteração para Errado).

17 O trecho a seguir está em conformidade com o padrão culto da língua portuguesa, sendo, por isso, adequado para compor uma redação oficial.

No momento que o infrator se apresenta ou é recapturado em 10 dias, é desclassificado para o art. 187 do CPM, a deserção especial prevista no art. 190 do mesmo diploma legal,

Comentário: Além da necessária concordância da forma participial “desclassificado” com o substantivo feminino “deserção”, faltou a preposição “em”, no trecho “No momento (em) que (…)”.

Gabarito: Errado.

18 O ofício e o aviso são idênticos quanto à finalidade: ambos tratam de assuntos oficiais entre órgãos da administração pública.

Comentário: Consoante o Manual de Redação da Presidência da República, o aviso e o ofício têm como finalidade “o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública”, tornando correta a afirmação do examinador.

Gabarito: Certo.

Receba nossas novidades por e-mail

Autor(a): Professor Fabiano Sales

Egresso da UFRJ, o professor Fabiano Sales atua na preparação para concursos públicos há treze anos, principalmente na modalidade EaD. Possui cursos no âmbito de texto e discurso, bem como na área do ensino de Língua Portuguesa (abordagem textual-discursiva), todos ministrados pela UFRJ. Na trajetória concursística, foi aprovado em diversos certames, com destaque para Correios (16º), Instituto Benjamin Constant (17º), Ministério das Comunicações (17º) e Prefeitura de Arraial do Cabo (25º). Ademais, o professor é autor do livro Língua Portuguesa para o Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade (Bacharel), lançado pela editora EDIPRO, e, também, da obra QUEBRANDO A BANCA ESAF - PROVAS COMENTADAS, publicado pela editora Método/GEN.

  • Quer saber tudo sobre as bancas CESPE e Esaf? O Prof. Bruno Fracalossi explica aqui bit.ly/cespe_esaf.
  • E-book gratuito com dicas dos nossos professores especialistas para a prova da PF. Baixe e saia na frente nos estudos! 😉 bit.ly/dicas_PF
  • Vai prestar o concurso do INSS? O Prof. Moisés Moreira tem algumas dicas para você, concurseiro! Confira no blog:⠀
bit.ly/artigo_INSSdicas ⠀
  • Atenção, concurseiro! O Prof. Igor Oliveira está online AGORA para te dar um conselho imperdível. Acompanhe aqui: bit.ly/mentoria_gratuita
  • Nada melhor do que estar preparado para evitar as armadilhas, concurseiro!
  • Leonardo é um dos concurseiros que estudou com o material do Ponto e alcançou a aprovação. Confira o depoimento: bit.ly/entrevista_leonardo
  • Quebrando a cabeça com Direito Constitucional, concurseiro? Facilite os seus estudos com os resumos descomplicados da Livraria do Ponto! http://bit.ly/livro_resumo
  • A persistência é a chave para entender qualquer matéria, concurseiro!

Siga-nos no Instagram

Scroll Up