Pessoal, um passo super importante na preparação para um concurso é conhecer bem sua prova. Muitos candidatos chegam no dia da prova sem nunca ter feito uma prova antiga da banca. Durante a preparação é primordial a realização de provas anteriores, tanto antigas para o seu cargo, quanto mais recentes da banca que irá aplicar sua prova. Claro que temos que fazer questões de outras bancas também, mas é sempre bom realizar provas completas da sua banca.

Para quem não sabe, passei no concurso para Agente Fiscal de Rendas de São Paulo, também conhecido como ICMS/SP, alguns gostam de chamar a carreira de Auditor Fiscal, mas o nome oficial é Agente Fiscal de Rendas mesmo, pelo menos por enquanto. Durante a preparação para minha prova (que foi em 2013) resolvi as provas de 2009 e 2006 para testar o tempo, os percentuais de acerto, o nervosismo, dentre outras coisas, e isso me ajudou muito no dia.

O concurso de AFR de São Paulo normalmente é organizada pela FCC, e consiste em 3 provas, sendo a P1 a mais famosa, pelo fato de praticamente ninguém conseguir terminá-la, de tão demorada que é. Esse longo período de realização se deve às 30 questões de português (com seus textos longos), 10 de inglês (com mais textos), 20 de economia (com muitas contas), 10 de RL (com textos e contas) e 10 de matemática financeira/estatística (5 para cada), além de 10 de administração e 10 de atualidades (mais rápidas). O detalhe é que quem não atinge 50% nessa prova está eliminado do concurso. Conheço pessoas que foram eliminadas nessa prova porque não conseguiram resolver mais de 20 questões, e tiveram que chutá-las direto no gabarito. Vi amigos de cursinho que tiveram notas mais altas que a minha no geral, mas foram eliminados por não atingir 50% na P1.

Confesso que português nunca foi meu forte, e, em todos os simulados da FCC, sempre fazia por volta de 50%, mesmo quando fazia essa matéria em primeiro, tomando mais tempo, ou quando fazia por último, tendo que fazer com mais pressa. Já as matérias de exatas (RL, Mat. Financeira e Estatística) eu sabia que eu acertaria, mas muitas vezes perdia um bom tempo fazendo contas, principalmente em Matemática Financeira. Após resolver a P1 de 2006 e de 2009, percebi que não podia perder tempo em português e em matemática financeira.

No dia da minha prova fui primeiro nas questões de matemática financeira e estatística, li todas, vi quais eu conseguiria fazer rapidamente, sem perder muito tempo fazendo conta, e resolvi 4 das 10 questões. Depois, parti para as outras matérias, até chegar em português, resolvi as 30 questões em 40 minutos (acertei 16 de 30). Faltava pouco tempo para entregar a prova, nesse caso passei o gabarito e deixei as 6 de matemática financeira/estatística para fazer no tempo restante. Acabei de preencher o gabarito, e, faltando uns 15 minutos, comecei a resolver as 6 questões. Consegui revolver 3 e chutei as outras três direto no gabarito, sem fazer uma conta sequer. Eu, que sou professor de matemática e estatística, deixei 3 questões exatamente dessas matérias (acabei acertando as 7 que fiz e mais 1 das que chutei), tudo bem que na época não era tão especialista ainda nessas matérias, pois me aprofundei mais depois de aprovado e quando comecei a estudar mais para dar aulas, mas sempre tive muita facilidade com exatas, até por ser formado em física.

E porque estou relatando isso, pois conhecer a prova foi muito importante para minha aprovação, se eu não soubesse que essa prova era uma luta contra o relógio, talvez tivesse ficado me matando para resolver as questões de matemática financeira (que gosto e sei que acertaria ao final), e acabaria deixando muitas questões mais rápidas sem resolver, e isso poderia custar minha aprovação, como foi para muitos conhecidos meus na época. Portanto, conheça as dificuldades da sua prova antes de fazê-la, conheça suas limitações antes, e, no dia, faça a prova com estratégia.

Bons estudos!

Receba nossas novidades por e-mail

Autor(a): Professor Henrique Tiezzi

É formado em Física Médica pela Unesp de Botucatu. Estudei dois anos na Europa (Itália e Inglaterra), na volta ao Brasil, trabalhei um ano com pesquisa no LNBio (Laboratório Nacional de Biociências) dentro do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais) localizado em Campinas/SP. Atualmente sou Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, tendo sido aprovado no concurso de 2013.

Instagram did not return a 200.

Siga-nos no Instagram

Scroll Up