Olá pessoal,

Ocorreu um problema no meu teclado recentemente, fiquei sem as teclas “G” e “H”. Enquanto tentava contorná-lo, percebi que, sem querer, estava fazendo um belíssimo exercício de redação. Vou dividir a experiência com vocês.

Todos sabemos da importância de ter um bom vocabulário, especialmente quem está se preparando para uma discursiva. Muitas vezes somos obrigados a nos referir a um elemento do texto repetitivamente, cabendo-nos substitui-lo por sinônimos, para evitar punição. Além disso, eu oriento meus alunos a evitar usar palavras cuja grafia não dominem – palavras com hífen, por exemplo, substituindo-as por outras mais simples.

Como saber se temos vocabulário suficiente para isso? Como nos testar e, mais que isso, como ampliar nosso vocabulário?

Ao trabalhar com um teclado com defeito, fui obrigado a evitar palavras que tivessem G ou H. Em vez de escrever “galera”, troquei por “pessoal”. Em vez de “acabo de ganhar”, optei por “recebi recentemente”. Em vez de “palavras que tenham hífen”, substituí por “palavras escritas com aquele terrível tracinho”.

Ao nos obrigar a escrever sem usar uma ou mais letras, testamos nosso vocabulário, nossa capacidade de parafrasear uma ideia. Esse exercício é excelente para evitar “brancos” na prova, pois você se acostuma a buscar na memória aquilo de que precisa no momento. Além disso, se sentir muita dificuldade, percebe que precisa ampliar seu vocabulário, e passa a dar mais atenção à leitura.

Assim, proponho que façam o seguinte: coloquem um adesivo bem marcante, um durex com um pedaço de algodão ou de lixa de parede, por exemplo, em uma ou mais letras do seu teclado. Comecem com consoantes pouco usadas, senão fica difícil demais. Essas letras estão proibidas; sempre que precisarem usá-las, troquem as respectivas palavras por outras. Muitas vezes será necessário reescrever a frase toda.

Pode parecer bobagem, mas depois de um dia inteiro escrevendo nesse teclado capenga, me senti muito mais afiado na busca por palavras de pouco uso, mas que, no fundo, eu conhecia. Temos dois vocabulários, o ativo, composto por palavras que proferimos, e o passivo, que abarca também aquelas cujos significados conhecemos, mas que não usamos espontaneamente.

Por meio desse exercício você será obrigado a trazer palavras do vocabulário passivo para o ativo, aprimorando sua capacidade de escrita.

Recomendo demais!

Façam por um tempo, depois venham me contar o resultado.

Forte abraço, bons estudos!!

Receba nossas novidades por e-mail

Autor(a): Ricardo Wermelinger

Advogado, Analista da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, já trabalhou na Comissão de Valores Mobiliários - CVM. Começou sua carreira profissional sendo estagiário na Procuradoria da Fazenda Nacional, onde pegou gosto por direito tributário.

  • Dica para a prova e para o dia a dia também! 😉
  • Seu conhecimento é a sua riqueza! 😉
  • A gente vai todo empolgado olhar o edital e... 😂
  • Alguns macetes pra te ajudar a resolver a prova com mais tranquilidade. 😉
  • A Nataly Rodrigues contou pra gente como o Coaching do Ponto a ajudou a superar as dificuldades nos estudos e a conquistar o 2º lugar para o Cargo de Consultor Legislativo da CLDF. Conheça essa história: bit.ly/ponto-entrevista-nataly
  • E aí, concurseiro, qual será a sua sorte? 1, 2, 3... valendo! 😄
  • Alguns verbos possuem uma pronúncia estranha quando no presente do indicativo, mas não se engane: estão corretos. 😉
  • Venha aprimorar seus conhecimentos em Gestão e Infraestrutura para o concurso IBGE com o Prof. Marcelo Camacho. Encontre o melhor material no Ponto! Inscreva-se no link: bit.ly/temporaria_IBGE

Siga-nos no Instagram

Scroll Up