Caros, bom dia!

A prova aplicada pela FCC para o cargo de Auditor da Sefaz do Maranhão teve razoável grau de dificuldade.

A banca pecou no excesso de detalhes da legislação, mas elaborou uma prova livre de erros que pudessem causar anulações ou alterações de gabarito.

Analisei a prova tipo 01 para Auditor, que continha 20 questões de legislação tributária e 5 de processo administrativo.

Posso afirmar que não há possibilidade de recurso para essas 25 questões.

A questão 38, sobre FG do IPVA (A empresa Lençóis Maranhenses…), traz pequena falha de formulação, que julgo não ser suficiente para anulação. No enunciado o examinador fala em uma camionete nova e nas alternativas pede a data do fato gerador da camionete usada. Por óbvio, ele queria que você soubesse indicar a data do FG no caso de veículos usados. Ocorre que não havia camionete usada no enunciado.

A título de curiosidade, vou resolver rapidamente uma questão de ITCMD que achei muito elegante:

Em 2016, Cássio, domiciliado em Santa Inês/MA, faleceu, deixando sua esposa Adélia e três filhas: Cristina, Maria e Léa. O total dos bens comuns do casal montava a importância de R$ 3.060.000,00. De acordo com a legislação civil em vigor na data do óbito, e com o regime de casamento adotado pelo casal, caberia a Adélia apenas 50% desses bens comuns, a título de meação, devendo os outros 50% ser divididos igualmente entre as três filhas, de modo a que cada uma delas recebesse R$ 510.000,00.
Ocorre, todavia, que, feita a partilha, decidiu-se que Adélia receberia bens no valor total de R$ 1.600.000,00. Cristina nada recebeu, pois renunciou pura e simplesmente ao quinhão que lhe caberia como herança, enquanto que Léa ficou com R$ 1.000.000,00, em razão de Maria ter renunciado a parte de seus bens, em favor da irmã Léa, que os aceitou de bom grado.
O casal não possuía bens imóveis. Com base nessas informações e na disciplina estabelecida na Lei estadual no 7.799/2002, acerca do ITCD, é correto afirmar que

(A) a desistência pura e simples de Cristina a seu quinhão não descaracteriza a incidência do ITCD sobre ele, devido a título de transmissão causa mortis.
(B) o ITCD devido por Adélia, a título de transmissão causa mortis, incidirá sobre montante de R$ 1.600.000,00, quantia por ela recebida.
(C) há incidência do ITCD, devido a título de doação, sobre a importância recebida por Léa, no montante de R$ 235.000,00.
(D) há incidência do ITCD, devido a título de transmissão causa mortis, sobre a importância de R$ 1.000.000,00, recebida por Léa.
(E) há incidência do ITCD, devido a título de transmissão causa mortis, apenas sobre a importância que coube a Maria na partilha, no importe de R$ 460.000,00

Vamos ver: 

Patrimônio: 3060

Meação Adélia: 1530 não há FG sobre a meação.

A partilhar entre as 3 filhas: 1530

Cristina renunciou ao monte: não há FG doação nessa renúncia, pois temos hipótese de não incidência.

Cristina não recebe nada e não paga nada.

1530/2 = 765  Esse é o valor dos quinhões de Leia e de Maria.

Adélia recebeu 1600. Logo, houve FG de doação no valor de 70, pois a meação era apenas de 1530.

Leia ficou com 1000. Aqui há FG doação de 235, pois seu quinhão era de 765. Temos também FG causa mortis, com BC de 765.

Maria ficou com 460. FG causa mortis com BC de 460.

Letra A, errada. A renúncia de Cristina caracteriza a não incidência.

Letra B, errada. No caso de Adélia incidirá ITCMD apenas sobre o valor de 70.

Letra C, correta. Excesso de quinhão, FG doação com BC no valor de 235.

Letra D, errada. Há 2 FGs: 235 doação e 765 causa mortis.

Letra E, errada. Há ITCMD causa mortis de 460 para Maria, mas esse não é o único FG de causa mortis no caso.

Gaba: C

Receba nossas novidades por e-mail

Autor(a): Professor Marcelo Seco

Vou acompanhá-los nas matérias de Contabilidade Geral, Pública e de Custos, além de Auditoria e de Legislação Tributária Estadual e Municipal. Sou paulistano, graduado em Sistemas de Informação e pós-graduado em Engenharia de Software. Minha experiência no mundo dos concursos começou em 1992, ano em que fui aprovado em concursos para a Sabesp (Analista de Sistemas), Cetesb (Analista Administrativo) e Comgás (Analista Financeiro). Na época, embora tivesse passado em primeiro lugar na Comgás, acabei optando pela Sabesp, onde trabalhei por alguns anos. Em determinado momento resolvi sair da Sabesp para a iniciativa privada (sim, isso acontece, meus caros). Em meus anos no setor privado ocupei os cargos de Diretor Administrativo e Diretor Financeiro, o que me proporcionou adquirir um vasto leque de conhecimentos. Em janeiro de 2009 retomei a vida de concurseiro e, tendo sido aprovado no primeiro concurso para APOFP da Sefaz-SP, voltei ao serviço público. Em 2012 fui aprovado no concurso para AFTM do Município de São Paulo, cargo que exerci até há pouco tempo. Atualmente sou Agente Fiscal de Rendas na Sefaz-SP. Nos últimos sete anos tenho estado imerso nesse mundo e angariei conhecimento sobre as matérias que precisamos estudar e também sobre a forma correta de nos prepararmos para as provas. É esse conhecimento, associado à minha experiência como professor do Ponto e da Escola Fazendária de São Paulo, que pretendo dividir com vocês.

  • Quebrando a cabeça com Direito Constitucional, concurseiro? Facilite os seus estudos com os resumos descomplicados da Livraria do Ponto! http://bit.ly/livro_resumo
  • A persistência é a chave para entender qualquer matéria, concurseiro!
  • Tome nota de algumas regras básicas de uso da vírgula!
  • Resumo da vida do concurseiro. 😂
  • SAIU O EDITAL da POLÍCIA FEDERAL, concurseiro! Quer uma preparação completa para a prova? Inscreva-se no Coaching do Prof. Bruno Fracalossi e garanta a sua vaga! bit.ly/coaching_PF ;)
  • Errar é humano, mas a gente pode aprender com os conselhos do Prof. Bruno Fracalossi para poupar tempo e acertar de primeira. 😉 bit.ly/artigo_4erros⠀
  • Agarre as oportunidades, concurseiro!
  • O edital da PF foi lançado, concurseiro! Reforce o conteúdo com os aulões de revisão do Ponto. Confira a nossa programação aqui: bit.ly/auloes_PF

Siga-nos no Instagram

Scroll Up